Sol Atlântico apresenta autocarros adaptados para maior mobilidade dos deficientes motores  

Cidade da Praia, 24 Jun (Inforpress) – A empresa de transportes públicos de passageiros na cidade da Praia, Sol Atlântico, faz nesta terça-feira, na Cidade da Praia, a apresentação de cinco autocarros equipados com rampas de acesso para cadeiras de rodas.

O anúncio foi feito pela empresa que recebeu dez autocarros novos para completar linhas no concelho da Praia, acrescentando que esta é uma forma de reforçar as condições de transporte de cidadãos de mobilidade reduzida.

“O Sol Atlântico, tem inovado para proporcionar qualidade de vida dos nossos passageiros, e assim sendo pela primeira vez em Cabo Verde temos autocarros adaptados para pessoas com mobilidade reduzida”, refere a fonte da empresa, que indica ainda que apresentação dos novos autocarros será feita na sede em Achada Grande Frente.

Em declarações à Inforpress, o presidente da Associação Cabo-verdiana de Deficientes (ACD), António Melo, manifestou a sua satisfação em saber que “finalmente as pessoas com deficiência motora ou que utilizam carrinhos de roda podem ter um espaço para andar em transportes públicos”.

Conforme António Melo, um autocarro com as valências das que vão ser introduzidas na Cidade da Praia irá trazer maior mobilidade para as pessoas com deficiência física ou reduzida.

Isso porque, realçou, antes para qualquer deslocação tinha de pagar um táxi para que pudesse levar a sua cadeira de rodas.

“Vai ser uma boa justiça para as pessoas com deficiência motora, pois, também seremos beneficiados pela lei de ensino gratuito para os nossos companheiros. Com o transporte acessível, os nossos jovens e adultos poderão deslocar-se para frequentar escolas e universidade sem ter de pagar muito dinheiro”, acrescentou.

Essa solução, ajuntou, vai ajudar as pessoas que usam cadeiras de rodas a deslocarem-se dentro do concelho, visto que as calçadas das estradas do país não são regulares e adaptadas com rampas, pelo que não ajudam na movimentação caso os deficientes quisessem andar nas suas cadeiras de rodas.

Ainda, de acordo com o presidente da ACD, com esta atitude a cidadania das pessoas com deficiência é exercida com “maior plenitude”, pois, vê na sociedade a necessidade de agir e contribuir de forma a que também sejam participativos.

PC/ZS

Inforpress/Fim

Scroll to Top
Share via
Copy link
Powered by Social Snap