Santo Antão: Projecto sobre preservação da flora endémica chega à escola de Lombo Figueira com criação de horto escolar

Porto Novo, 20 Jan (Inforpress) – O projecto sobre a preservação da flora endémica no Planalto Leste, em Santo Antão, já chegou à escola básica de Lombo Figueira, com a construção de um horto escolar onde os alunos passam a plantar espécies endémicas.

Conforme a Associação das Mulheres do Planalto Leste (Amupal), promotora deste projecto, neste mesmo horto já se procedeu ainda à plantação de plantas aromáticas e hortícolas, aplicando algumas técnicas agro-ecológicas, como, por exemplo, a cobertura de solo.

Planalto Leste está a ser alvo do projecto sobre a preservação da flora endémica que, além de plantação de novas espécies, consistem ainda na sensibilização nas escolas deste planalto visando a preservação da flora endémica neste perímetro florestal.

O projecto é financiado pelo programa das pequenas subvenções da Nações Unidas (GEF-SGP) e consiste na catalogação, preservação e aumento da população das espécies endémicas.

Este projecto, segundo a Amupal, é “um complemento” do projecto sobre sistemas agroflorestais, implementado pela Associação para a Defesa do Património de Mértola (Portugal) e do projecto sobre a criação de um banco de sementes, que está a cargo também da Amupal.

O Planalto Leste, reserva florestal desde 2009, abarca dois dos cinco parques naturais existentes em Santo Antão, ou seja, os parques dos Moroços e da Cova/Ribeira da Torre/Paul, este considerado o maior centro de biodiversidade de plantas endémicas de Cabo Verde, com 36 espécies, dos quais 16 estão em risco.

Com o projecto sobre a preservação da flora endémica, a Amupal pretende identificar as espécies existentes em todo o perímetro do Planalto Leste, investir na sua preservação e, através de acções de plantação, aumentar a sua população.

JM/JMV
Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos