• Save

Santo Antão: FAO promete apoiar agricultores no desenvolvimento da agricultura no Porto Novo

Porto Novo, 17 Jul (Inforpress) – O apoio aos agricultores com factores de produção vai ser um dos próximos projectos que a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) pretende financiar no apoio à agricultura no Porto Novo, Santo Antão.

A representante da FAO em Cabo Verde, Ana Laura Touza, que iniciou, hoje, a sua primeira visita a Santo Antão, assegurou que a organização, embora não queira “criar expectativas”, vai “tentar apoiar” os agricultores com factores de produção, em resposta a um pedido da câmara do Porto Novo.

A edilidade porto-novense aproveitou a estada de Ana Laura Touza no Porto Novo, neste primeiro dia da sua estada em Santo Antão, para pedir à FAO para apoiar os agricultores, sobretudo, em Ribeira Corujinha, Lajedinho e Casa de Meio, com sementes e outros produtos, para o incremento da sua actividade.

Nas duas primeiras localidades estão a ser realizados projectos hidro-agrícolas no quadro do programa ligado à agricultura urbana e periurbana, que conta com o envolvimento desta organização das Nações Unidas.

“Vamos analisar e tentar apoiar sim. Achamos que podemos apoiar”, prometeu Ana Laura Touza, que disse estar em Santo Antão para “conhecer a realidade” da ilha, com vista a “desenhar projectos de apoio ao desenvolvimento da agricultura”, nesta região.

“Trata-se de uma primeira visita para conhecer Santo Antão e ter a ideia sobre quais os projectos que deverão ser desenvolvidos no apoio à agricultura na ilha”, avançou a representante da FAO em Cabo Verde, que, esta quinta-feira, vai estar de visita aos concelhos da Ribeira Grande e Paul.

No município do Porto Novo, a intervenção da FAO incidiu, nos últimos anos, sobretudo, na promoção da agricultura e floresta urbana, no apoio aos produtores do inhame e na recuperação de terrenos agrícolas.

O projecto de apoio aos produtores de inhame no Tarrafal de Monte Trigo consistiu na entrega aos produtores de kits (tubos, sementes) visando o alargamento da área de cultivo do inhame, que tem conhecido, nos últimos anos, “forte impulso” nessa zona, com uma produção anual à volta de 700 toneladas.

No âmbito do projecto sobre floresta urbana, financiado pela FAO, em 423 mil dólares, foram realizadas algumas acções, com destaque para a criação de um viveiro e recuperação e equipamento de um furo, cuja água disponibilizada (200 metros cúbicos/dia), destina-se à reflorestação e à criação de espaços verdes.

A FAO financiou o plano director para agricultura urbana e periurbana, cujos primeiros projectos começaram a ser desenvolvidos, a partir de 2017, no Porto Novo, abarcando, nesta altura, 40 famílias, que receberam da câmara municipal quase sete hectares de terrenos para a prática agrícola.

JM/CP

Inforpress/Fim