• Save

Santa Catarina: População de Ribeira da Barca congratula-se com anúncio do processo da selagem da lixeira municipal

Assomada, 12 Out (Inforpress) – A população da Ribeira da Barca, no concelho de Santa Catarina (Santiago), congratula-se com o anúncio da autarquia em iniciar com os trabalhos da selagem da lixeira municipal, que desde esta quarta-feira, 09, deixou de receber resíduos sólidos.

Em uma nota de imprensa, a Câmara Municipal de Santa Catarina assegura que, a partir dessa data, a lixeira municipal de Achada Santa Catarina, localizada na localidade de Ribeira da Barca vai deixar de receber resíduos sólidos.

É que, segundo o município, a partir de agora o lixo recolhido nesse município do interior de Santiago passa a ser enviado para o Aterro Sanitário de Santiago, localizada no concelho de São Domingos, iniciando-se assim o processo de encerramento da lixeira, tendente à sua selagem definitiva.

Entretanto, na mesma nota a edilidade informa que a selagem definitiva como reivindica os populares deverá ocorrer durante os primeiros meses de 2020, sendo que antes se vai fazer todo o trabalhado, que contempla toda a reposição paisagística daquela zona, com destaque para plantação de árvores e melhoramento do acesso até ao cemitério local.

A lixeira, situada naquela localidade, é para a população “um autêntico atentado à saúde pública” e estima-se que muitas doenças como gripe, problemas respiratórios, entre outras, são resultantes da lixeira devido à queima do lixo que faz fumo e “invade” a comunidade.

Abordados pela Inforpress, a comunidade local que há muito tempo tem reivindicado a selagem “urgente e definitiva” do espaço, sustenta que não fazia sentido todo o investimento feito na orla marítima de Ribeira da Barca, no montante de mais de 27 mil contos e o lixo continuar a ser “cartão de visita” daquela vila piscatória.

Manuel Rocha Cabral, apesar de congratular-se com a medida da edilidade, assim como os entrevistados da Inforpress, pediu a reposição da normalidade desse espaço “imediatamente”.

É que, conforme alegam, mais do que não colocar lixo é a retirado do mesmo, visando dar um outro aspecto àquela estrumeira para que a orla marítima, cuja obra foi entregue sexta-feira, numa cerimónia presidida pelo edil, José Alves Monteiro, e pelo primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, passe a ser “cartão de visita”.

Entretanto, se uns mostram-se satisfeito com tal medida, alguns ainda estão “incrédulos”, avisando a edilidade que se caso houver “retoma” que vão agir, ameaçando com uma nova manifestação à semelhança do que fizeram em Janeiro de 2018.

Aos “cépticos”, o presidente da câmara tranquilizou-os, garantindo que tal decisão é para valer e que assim como os municípios, Santa Catarina passa a depositar os resíduos sólidos no aterro sanitário de São Domingos.

Conforme explicou tal medida visa viabilizar o funcionamento do aterro intermunicipal de Santiago e ainda tem como propósito respeitar todo o investimento feito no mesmo, pela União Europeia e pelo Governo de Cabo Verde.

FM/ZS

Inforpress/Fim

Scroll to Top
Share via
Copy link
Powered by Social Snap