Santa Catarina: Instrumentos de gestão para 2020 aprovados com votos do MpD e contra do PAICV

Assomada, 13 Set (Inforpress) – O plano de actividades e o orçamento da Câmara Municipal de Santa Catarina (ilha de Santiago) para 2020, num montante de 1.500.000 contos, foram aprovados hoje em sessão ordinária da Assembleia Municipal.

A proposta teve o aval dos 11 eleitos do Movimento para a Democracia (MpD – partido que gere a câmara) e contra dos 10 deputados do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV- oposição).

“Com este orçamento, inferior ao de 2019 (16.000.000 contos),  vamos continuar a embelezar, modernizar,  atender as famílias e a promover desenvolvimento do concelho”, assegurou o edil santa-catarinense, José Alves Fernandes.

O autarca considerou este documento “realista e humanista” e fez saber que o mesmo vai contar com apoio de parceiros que os vão ajudar na materialização dos projectos em curso e que serão concluídos em 2020 e os que vão arrancar no mesmo ano.

Por tudo isso, afirmou que este instrumento de gestão está à altura dos desafios e necessidades daquele município do interior de Santiago.

O líder da bancada do PAICV, Lamine Tavares, justificou o voto contra do seu partido pelo facto de o orçamento ser a “cópia dos orçamentos anteriores” já apresentados por esta equipa camarária, sustentado que o mesmo traz projectos que vêm desde o primeiro apresentado por esta mesma equipa com mudanças apenas nos montantes das obras.

A este propósito, afirmou que dinheiro desaparece e que as obras não são executadas, situação que disse vem desde o primeiro instrumento de gestão apresentado pela equipa liderada pelo edil José Alves Fernandes.

Outrossim é o facto de mais uma vez este documento não ter levado em conta a própria característica do concelho, cujos 72 por cento da população vivem nas zonas rurais, mormente agricultores, pescadores e criadores de gado.

É que, segundo o eleito municipal, o documento  prevê apenas 4500 contos para as actividades desta franja que inclui ainda o turismo e empreendedorismo, que para ele “é pouco”.

O líder do MpD, Euclides Furtado, por seu lado, afirmou que este último orçamento “fecha o ciclo dos compromissos que constam na plataforma eleitoral desta equipa camarária para o mandato 2016-2020.

Ou seja, ajuntou, que a equipa liderada por José Alves Fernandes ao longo do mandato levou obras a todas as localidades do concelho de Santa Catarina, tendo destacado desencravamento de várias zonas rurais.

Destacou, por outro lado, o facto de o documento, mais uma vez, dar atenção aos sectores da cultura, da educação, da habitação social, do desporto e entre outros, que segundo ele são para o bem dos santa-catarinenses.

FM/CP
Inforpress/Fim

Scroll to Top
Share via
Copy link
Powered by Social Snap