Presidente da Republica exorta Governo a “olhar mais” para as ilhas com menos oportunidades de desenvolvimento (c/áudio)

Porto Novo, 07 Jun (Inforpress) – O Governo deve “olhar mais” para as ilhas com menos oportunidades de desenvolvimento, como é o caso de Santo Antão, onde “deve investir mais” nas zonas rurais, com vista ao “empoderamento” das populações.

A conclusão é do Presidente da Republica, Jorge Carlos Fonseca, para quem a ideia que fica é de que existe “dois Cabo Verde”, sendo um que tem estado a desenvolver-se, formado pelas cidades da Praia e do Mindelo e pelas ilhas do Sal e Boa Vista, e um outro “mais pobre, com menos oportunidades”.

“Temos ilhas, como Santo Antão, São Nicolau e Brava, mas também o interior de Santiago, onde o desenvolvimento é mais fraco, onde as pessoas vivem com muitas dificuldades, com problemas de abastecimento de abastecimento de água, falta de acesso (estradas), sem ligação área e transportes marítimos irregulares”, notou Jorge Carlos Fonseca, que hoje conclui uma visita de uma semana a Santo Antão.

O chefe de Estado, que falava quinta-feira, 06, num encontro com a comunidade de Lagoa da Ribeira das Patas, no interior do Porto Novo, defendeu a necessidade de se “pensar Cabo Verde” como um país “mais junto, mais solidário e com um desenvolvimento equilibrado”.

Em relação a Santo Antão, onde as “maiores dificuldades” das populações prendem-se com o desemprego, encravamento das localidades, abastecimento de água e habitações degradadas, o Presidente da República é de opinião de que “o Governo deve investir mais” e “olhar  mais para as zonas rurais”.

Esta ilha, segundo Jorge Carlos Fonseca, tem potencialidades a nível da agricultura, mas também do turismo, que será potenciado com a construção do aeroporto, “mas até lá, tem de haver politicas  para minimizar os problemas das comunidades”, alertou.

Caso contrário, o problema da perda da população, que afecta, além de Santo Antão, outras ilhas como Fogo, Brava e São Nicolau, vai persistir, avançou o Presidente da Republica, que se mostrou “algo preocupado” com a situação que se vive no Porto Novo, um dos municípios mais atingidos pelos dois anos de seca consecutivos.

Jorge Carlos Fonseca enalteceu, porém, o facto de o Governo, em parceria com as câmaras municipais de Santo Antão, estar a realizar “um vasto programa” de requalificação das habitações e a investir no desencravamento dos povoados, admitido que “não se pode fazer tudo ao mesmo tempo”.

Hoje, no último dia da visita a Santo Antão, o chefe de Estado desloca-se ao Tarrafal de Monte Trigo, para se inteirar das obras de construção da segunda fase da estrada de acesso, proceder ao lançamento  do projecto de recuperação do centro histórico dessa localidade e encontrar com a população local.

JM/AA

Inforpress/Fim

Scroll to Top
Share via
Copy link
Powered by Social Snap