• Save

Parlamento: MpD enaltece “despartidarização” das questões das comunidades e “melhorias” no atendimento nos consulados e embaixadas

Cidade da Praia, 17 Jul (Inforpress) – O Movimento para a Democracia (MpD, poder) enalteceu hoje no parlamento aquilo que considera ser a “evolução substancial da despartidarização das questões” relacionadas com as comunidades emigradas e “melhorias no atendimento” nos consulados e embaixadas.

Intervindo no período de questões gerais, o deputado do MpD pelo círculo eleitoral da Europa, Emanuel Barbosa, elencou como sinal dessa evolução a recente implementação do consulado online, que na sua óptica, trouxe “um elemento moderno” na relação entre os emigrantes e os consulados, deixando de ser “um martírio para os emigrantes” a emissão dos passaportes.

Para além disso, lembrou que o Governo tem organizado a Gala Cabo-verdiana de Sucesso para se homenagear os cabo-verdianos que se distinguem na diáspora como forma de” promover a sua afirmação pessoal e profissional” e por esta via “divulgar e servir Cabo Verde no mundo.”

A este propósito, recordou que o Executivo inaugurou nos dias 05 e 07 de Julho o Centro Cultural Cabo Verde em Lisboa (Portugal), e o Consulado Geral, em Nice (França).

O deputado do MpD considerou que a abertura do centro cultural foi o lançamento de “uma plataforma para potenciar o activo cultural” de Cabo Verde no mundo e o consulado em Nice é a resposta de uma reivindicação antiga das comunidades do sul da França que eram obrigados a se deslocarem a Paris para tratar de documentos.

“Estas duas realizações mostram que devemos acreditar e sabemos que a diáspora acredita no Governo de Ulisses Correia e Silva. Não obstante a complexidade dos desafios que nos colocam, o importante é reter que as evidências indicam claramente que estamos num bom caminho e que devemos estar orgulhosos no trabalho que vem sendo feito”, declarou Emanuel Barbosa.

Em reacção, o deputado do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV, oposição) também eleito pelo círculo da Europa, Francisco Pereira, defendeu que o Centro Cultural Cabo Verde é “um grande fenómeno” para a comunidade cabo-verdiana em Lisboa e na Europa. Mas afirmou que a ideia de o abrir veio desde a anterior governação.

“Houve um trabalho abnegado e aquilo que o Governo fez é dar a continuidade da ideia que já estava implementada”, afiançou, considerando que a diáspora tem contribuído “de forma indelével” para o desenvolvimento da Nação, mas o que o Governo tem feito até hoje “está muito aquém da expectativa.”

Mesma opinião defendeu o deputado do PAICV sobre o Consulado Geral em Nice. Segundo Francisco Pereira, o consulado também “era um projecto que já vinha detrás e que esse Governo veio inaugurar.”

O eleito do maior partido da oposição não concordou com a ideia da despartidarização das questões” relacionadas com as comunidades emigradas que foi defendida por Emanuel Barbosa, porque lembrou que os embaixadores de Cabo Verde em Portugal e nos Estados Unidos são nomes do MpD.

CD/ZS

Inforpress/Fim