• Save

Oposição na Guiné Equatorial exige libertação de dirigente do PCDS Luís Esono

guine equatorialMalabo, 13 Jul 2019 (Inforpress) – O Partido da Convergência para a Democracia Social da Guiné Equatorial (PCDS) exigiu hoje a libertação de Luis Mba Esono Mangue, dirigente local no agrupamento distrital de Mikomeseng, detido na quarta-feira pelas forças de segurança governamentais.

“A detenção foi feita em Engo Esaboman, onde Mba Esono nasceu, por uma vintena de membros armados das Forças Especiais de Segurança Nacional, tendo sido também detidas outras cinco pessoas”, lê-se num comunicado difundido hoje pela Comissão Executiva Nacional do PCDS.

“A CPDS condena a maneira como foram detidas estas pessoas, sem mandado judicial e sem que tenham sido respeitados os seus direitos, o que confirma, uma vez mais, o compromisso nulo do Governo da Guiné Equatorial com o respeito dos direitos humanos”, acrescenta-se no comunicado, que exige a “libertação imediata dos detidos ou a ida aos órgãos judiciais competentes, já que permaneceram 72 horas em poder das forças de segurança”.

De acordo com o relato dos familiares, citados no comunicado do CPDS, os detidos foram duas pessoas que vieram dos Camarões à procura de outra pessoa em Bata, na parte continental da Guiné Equatorial, e dois familiares de Luís Esono.

A detenção ocorreu pelas 01:00 da madrugada de quarta-feira, quando um dos envolvidos bateu à porta da casa de Luís e lhe pediu para sair, alegando querer dar-lhe uma recompensa pela ajuda que deu aos dois provenientes dos Camarões na obtenção do transporte de um terceiro para Bata.

“Com uma toalha atada à cintura, Luís saiu de casa, mas deparou-se com vários membros armados que lhe apontaram as suas pistolas e começaram a agredi-lo”, lê-se no comunicado que dá conta da versão da família sobre o que aconteceu.

De seguida, conclui o comunicado, “prenderam Luís e conduziram-no directamente a Bata com o resto dos detidos, estando actualmente num lugar secreto, ou seja, em paradeiro desconhecido, já que os seus familiares os procuraram em todas as esquadras de polícia de Bata e ninguém sabem nada deles”.

Lusa/Fim

Scroll to Top
Share via
Copy link
Powered by Social Snap