“Nós Povo das Ilhas” distinguido no Festival Internacional de Cinema Documental de Tenerife 

Mindelo, 11 Fev (Inforpress) – O projecto “Nós Povo das Ilhas”, de Elson Santos, que conta a história de 31 estudantes cabo-verdianos que preparam na Cuba a luta de libertação nacional, foi distinguido no Festival Internacional de Cinema Documental em Tenerife.

Em entrevista à Inforpress, o idealizador, Elson Santos, afirmou que ‘”Nós Povo das Ilhas” foi o único projecto cabo-verdiano submetido ao Festival Internacional de Cinema Documental (MirandasDoc).

Participou na vertente ‘Afrolatam’, dedicada ao cinema documental de África e América Latina e foi distinguido após uma apresentação de Elson Santos para representantes dos principais festivais internacionais de cinema, distribuidores e televisões como a Rádio Televisão Portuguesa (RTP), televisões espanholas, de América Latina e ainda a Deutsche Welle TV.

“É o meu primeiro projecto de documentário, porque sou da área de publicidade e comunicação. Ele já tinha sido escolhido aqui em Cabo Verde pela Associação de Cinema Audiovisual. Ser distinguido agora nesse festival internacional foi muito bom para mim porque é uma montra”, revelou Elson Santos.

Conforme a mesma fonte, outro ganho alcançado pelo projecto no festival foi um contrato com a Rádio Televisão Portuguesa (RTP) para fazer a coprodução deste documentário, cujo objectivo é resgatar a memória, através de imagens reais dos locais dos acontecimentos (Cuba e Guiné-Bissau) e de testemunhos de integrantes desse grupo que teve um “papel importante” na luta de libertação nacional.

“É uma história que pode tornar-se uma memória invisível porque eram 31 e neste momento já são nove. Se morrerem a história morre com eles.

Então, temos que resgatar essas para que próximas gerações, principalmente a geração pós- independência, possa aproveitar-se delas para se inspirar”, defendeu Elson Santos, para quem “muitas vezes procura histórias que inspiram lá fora quando temos muitas dentro do país”.

De acordo com a sinopse, o documentário estará espelhado em três momentos. No primeiro, o foco será perceber as motivações que levaram esses jovens com idade compreendida entre os 19 e 20 anos, a enveredarem-se pela luta armada.

Num segundo momento, o objectivo é compreender o processo de formação, bem como tentar perceber o porquê que Cuba foi considerada uma aliada estratégica de Cabo Verde.

O terceiro momento será dedicado à conclusão do filme na qual será explicado as razões que impediram o desembarque dos 31 jovens em Cabo Verde, e além disso, mostrar a importância que esses quadros cabo-verdianos tiveram na luta armada de libertação nacional.

CD/CP

Inforpress/Fim

Scroll to Top
Share via
Copy link
Powered by Social Snap