São Salvador: Câmara emprega Fundo Descentralização nos sectores da água e agro-alimentar

Achada Igreja, 23 Mai (Inforpress) – O presidente da Câmara Municipal de Salvador do Mundo disse hoje que o Fundo de Descentralização (FD) “veio em boa altura” para ser investido em duas “áreas sensíveis” desse município do interior de Santiago, água e agro-alimentar.

Ângelo Vaz falava à Inforpress a propósito do lançamento do FD, programa de apoio aos municípios e associações locais na implementação de projectos destinados à luta contra a pobreza e melhoria da qualidade de vida das pessoas.

“Em São Salvador do Mundo vamos aproveitar este fundo para investirmos nos sectores da água e agro-alimentar”, declarou o chefe do executivo municipal, adiantando que esse município vai receber entre 10 a 15 mil contos para atacar essas áreas que considerou de “sensíveis” e “essenciais”.

Relativamente ao sector da água, justificou a escolha pelo facto de o concelho ser um dos que tem maior problema no abastecimento de água às populações.

“Portanto, vamos aproveitar este montante para investirmos fortemente no sector da água levando água às casas das pessoas, uma vez que o município tem ainda uma cifra a volta 28 a 29 por cento (%) da população local que tem água canalizada”, esclareceu.

É que, segundo ele, neste campo São Salvador do Mundo tem  “um longo caminho” pela frente, daí que diz acreditar que este fundo que “veio em boa altura” para ser investido nessas duas áreas – água e agro-alimentar.

No sector da água, considerou que com a água canalizada as mulheres que percorrem longo caminho à procura desse líquido vão ter mais tempo para se dedicarem a outras actividades, cuidar dos filhos e da família, acrescentando que com tal investimento estarão a dar um “forte contributo” na questão do género e igualdade.

Em relação ao sector agro-alimentar, lembrou que o município já tem o Centro de Transformação Agro-Alimentar, inaugurado em Abril de 2019, para permitir a conservação e transformação de frutas como manga, papaia e goiaba, entre outras, mas, que de momento, carece de algum reforço.

“Portanto, a maior parte vai para o sector da água, mas uma parte vai completar aquilo que já temos feito no centro, e assim dar todas as condições para que se possa laborar em condições óptimas”, reiterou o autarca.

Conforme avançou o município que dirige por ser um dos nove municípios piloto do programa Plataforma para o Desenvolvimento Local e Objectivos 2030 Cabo Verde, assim como  os três de Santo Antão, três do Fogo, e Ribeira Grande de Santiago vai receber uma fatia dos 500.000 euros e os 2.300.000 euros a ser dividido para todos os 22 municípios do País.

O Fundo de Descentralização disponibilizará um total de 2.800.000 euros para financiar projectos a associações e câmaras municipais, 2.300.000 euros divididos para todos os 22 municípios do País.

De acordo com o Governo, o programa procura financiar projectos identificados e priorizados conjuntamente pelas câmaras e associações locais, e que se encontram nos Planos Estratégicos Municipais de Desenvolvimento Sustentável (PEMDS) já aprovados.

Os projectos terão uma duração de 12 a 18 meses e um prazo de implementação até 31 de Julho de 2022.

FM/AA

Inforpress/Fim

 

Scroll to Top