Manifestações violentas no nordeste da RDCongo afectam combate ao vírus do ébola

Goma, RDCongo, 22 Nov (Inforpress) – As várias manifestações no nordeste da República Democrática do Congo (RDCongo), contra o massacre de civis na região, levou as autoridades a suspenderem as actividades dos centros de controlo de Ébola nas cidades de Beni e Butembo.

“Todas as nossas actividades estão em causa: sensibilização, vacinação, enterros seguros”, afirmou o chefe do Comité Multissectorial de Resposta ao Ébola (CMRE), Jean-Jacques Muyembe, garantindo que o trabalho não irá parar.

“Continuaremos presentes”, disse, citado pela agência France-Presse.

Polícia e exército congoleses recorreram a gás lacrimogéneo e tiros de aviso para dispersar os manifestantes que atacaram uma base de capacetes azuis à entrada de Beni.

Os manifestantes culpabilizam as Nações Unidas e as autoridades congolesas pela impotência face aos massacres atribuídos ao grupo armado das Forças Democráticas Aliadas (ADF, na sigla inglesa), que alegadamente matou mais de 60 civis na região desde o início deste mês.

No restante território congolês, as operações de combate ao Ébola, incluindo vacinação, decorreram com normalidade.
Jean-Jacques Muyembe adoptou uma posição mais moderada face à do Presidente do país, Félix Tshisekedi, que acredita ser possível erradicar a epidemia até ao final do ano.

“Nunca disse que o vírus foi erradicado, mas, sim, que está sob controlo. Actualmente, o número de casos diminuiu significativamente”, referiu o responsável pelo CMRE.

O médico explicou que as autoridades estão a acompanhar 10 casos novos por semana, uma redução face aos valores de Julho, quando este número alcançava os 90 casos por semana.

“Há esperança de que até o final do mês vamos controlar [a epidemia] “, reforçou, citado pela AFP.

A presença do vírus Ébola na RDCongo foi reconhecida no início de Agosto de 2018, pelo então ministro da Saúde, Oly Ilunga.

Desde então, este evoluiu para a segunda epidemia de Ébola mais mortífera de sempre, com 2.197 mortos devido ao vírus – 2.079 destes confirmados em laboratório -, de acordo com o mais recente relatório sobre a evolução da epidemia de Ébola, divulgado pelo Ministério da Saúde da RDCongo.

O documento, com dados de 20 de Novembro, diz haver registo de 3.296 casos de infecção (3.298 confirmados em laboratório) desde Agosto de 2018.

Desde o início da campanha de vacinação, em 08 de Agosto do ano passado, foram vacinadas 254.768 pessoas.

Quanto às manifestações, a imprensa local refere que estas se estão a intensificar durante a noite.

De acordo com o portal Actualite.cd, os manifestantes pedem o abandono do território pela missão das Nações Unidas na RDCongo, a MONUSCO, e dos seus capacetes azuis.

Inforpress/Lusa/Fim

Scroll to Top
Share via
Copy link
Powered by Social Snap