Fogo: Curso de enologia e viticultura arranca próxima semana na adega de Monte Barro (c/áudio)

São Filipe, 14 Jan (Inforpress) – O curso de enologia e viticultura, o primeiro a ser realizado em Cabo Verde, com duração de dois anos, inicia-se na próxima terça-feira, 21 de Janeiro, nas instalações da adega de Monte Barro, em São Filipe.

Esta formação vai ser ministrada pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) através do Centro de Emprego e Formação Profissional para as ilhas do Fogo e Brava em parceria com a ASDE e com apoio técnico do Instituto Superior de Enologia e Viticultura de Alba, Itália.

A entidade promotora do curso é a Fundação Padre Ottavio Fasano, uma instituição de direito cabo-verdiano, sem fins lucrativos, que tem compromisso em trabalhar para um futuro de justiça humana e espiritual para os mais necessitados em Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Guiné-Bissau, visando o desenvolvimento nos diferentes domínios.

O desenvolvimento de qualquer sector assenta na educação e formação e é ciente deste facto e cumprindo os objectivos para os quais foi criada, a ASDE, em parceria com o Governo de Cabo Verde, através do IEFP e do Fundo de Sustentabilidade Social para o Turismo (FSST), com o apoio técnico do Instituto Superior de Enologia e Viticultura de Alba, Itália, implementam esta acção de formação.

O promotor desta iniciativa, padre Ottavio Fasano, explicou hoje que a ideia de formação surgiu depois de ter visto o resultado do projecto da vinha de Maria Chaves e da adega de Monte Barro, salientando que “toda a gente responsável sabe que é necessário saber olhar para o futuro” e que esta não é somente uma obra em si mesma, mas que se insere no dinamismo de criar nesta terra um movimento de desenvolvimento.

“É necessário, amando esta terra, assumir um olhar muito forte e concreto para o futuro da juventude e da economia, e criar um projecto e uma vontade cultural”, disse Ottavio Fasano.

A directora geral da Associação de Solidariedade e Desenvolvimento (ASDE), Maria da Graça, informou que o curso de enologia e viticultura conta com apoio técnico de escola técnica de Alba (Itália), destina-se a jovens com o 12º ano e vai decorrer na ilha do Fogo, onde existem áreas vinícolas, adegas, produtos.

O curso conta com jovens de outras ilhas como Santo Antão, São Nicolau e do interior de Santiago, porque, segundo Maria da Graça, pretende-se que outras ilhas tenham vinhas e o enoturismo, e ressuscitar o cultivo de vinha que existia antigamente.

Paralelamente a abertura do curso e do centro de enologia e viticultura, a associação está a trabalhar na questão da disponibilidade da água e, neste quadro, chega no dia 19 à ilha uma equipa de cinco investigadores da Universidade de Turim com equipamentos especiais para juntamente com Águabrava trabalhar identificação de pontos de água.

“Acreditamos que com mais água iremos ter, no futuro, novas parcelas vitícolas na ilha”, assegurou Maria da Graça, indicando que neste momento um jovem de São Filipe está a desenvolver uma experiência e que se der certo outros quererão montar a sua parcela vinícola.

As aulas teóricas decorrem nas instalações da adega de Monte Barro, devendo as aulas praticas ser ministradas por decentes da escola de enologia de Elba e a parte teórica por formadores nacionais.

A cerimonia de abertura do curso conta com a presença do vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia, do presidente da região italiana de Piemonte, Alberto Cirio, de entre outras individualidades.

A ocasião será aproveitada para se proceder à abertura do primeiro Centro de Formação em Viticultura e Enologia no país, baptizado com o nome Pier Luisa Pautasso.

JR/CP

Inforpress/Fim

Scroll to Top
Share via
Copy link
Powered by Social Snap