Foto de Arquivo

Fogo: “Criança não morreu por falta de transferência médica, mas devido a um problema complexo e grave” – ministro Saúde

São Filipe, 12 Ago (Inforpress) – O ministro da Saúde declarou hoje que a criança de quatro “não morreu por falta de transferência médica”, mas devido a um “problema complexo e grave” e que “evoluiu rapidamente em dois meses”.

Arlindo do Rosário referia-se à morte na quinta-feira, o8, em São Vicente, da menina Sheron Alina Lopes, ao ser abordado hoje em São Filipe, à margem da visita que efectua à região sanitária Fogo/Brava, sobre este caso.

Indicou que o director nacional da Saúde e a direcção do Hospital Baptista de Sousa já explicaram os pormenores de todo o procedimento e o quadro clínico da criança, observando que há neste momento um “desvio do foco”, já que a criança faleceu devido a um “câncer intestinal gravíssimo” que “evolui rapidamente em dois meses”.

“Fizemos tudo que era possível e o processo foi decidido e homologado no mesmo dia ou no dia seguinte, não há problema de atraso no processo”, disse Arlindo do Rosário, indicando que estava a espera que Portugal, “que também tem seus problemas”, garantisse vaga, sublinhando que a parte cabo-verdiana “insistiu muito neste caso”.

“Posso tomar toda a culpa do mundo, não tenho problemas em tomar, estou bem com a minha consciência, sei do trabalho que faço e sou homem de responsabilidade e pediatra”, disse o titular da pasta da Saúde, indicando que determinadas afirmações surgem no momento de “consternação, revolta e impotência” e que como entidades pública tem de estar “preparado para tudo isso”.

“Entendo este tipo de reacção e estou focado nisso”, afirmou o ministro da Saúde, observando que entende a ansiedade e o sofrimento das pessoas.

Questionado do porque só Portugal a receber doentes de Cabo Verde e não outros países, Arlindo do Rosário explicou que é preciso ver o que Portugal gasta anualmente com os doentes cabo-verdianos, já que o quadro estabelecido é para 300 a 400 doentes/ano e que Cabo Verde “duplica ou triplica” esta quota anualmente, tratando-se de tratamentos com custos “extremamente elevados”.

O ministro indicou que o Governo está a trabalhar para ter o hospital nacional de referência, que dará um nível de respostas terciário a situações mais complexas de transferência de doentes, mas que será “um processo evolutivo” e que “não dará, seguramente, todas as respostas”.

JR/AA

Inforpress/Fim

Scroll to Top
Share via
Copy link
Powered by Social Snap