• Save

Praia: EMEP está a trabalhar para concluir crescimento de parques pagos na zona praça financeira – PCA

Cidade da Praia, 04 Jul (Inforpress) – A Empresa de Mobilidade e Estacionamento da Praia (EMEP) está a trabalhar para concluir o crescimento de parques pagos na zona praça financeira (Chã da Areia) e novos modelos de pagamento, disse hoje o seu presidente.

Victor Coutinho fez essas considerações à imprensa, após ter recebido em audiência o líder da bancada municipal do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV) a quem informou sobre a situação da empresa e passou informações sobre os projectos e iniciativas a serem implementados.

“A nível de gestão da empresa, privilegiamos o diálogo e estamos a trabalhar a vertente sensibilização, assim como estamos a usar a nova tecnologia para comunicar, esclarecer e explicar os nossos utentes”, disse, acrescentado estar aberto a todos os parceiros que queiram dar imputes a EMEP.

Face aos novos projectos da empresa, o presidente do conselho de administração (PCA) da EMEP anunciou que no período de 30 dias, a empresa vai introduzir a modalidade de pagamento com cartão Vinte4, Visa e Maestro, isso para evitar o problema de trocos, sempre levantado pelos utentes.

No caso dos parqueamentos pagos, Victor Coutinho assegurou que a empresa vai trabalhar sobre a deliberação da Assembleia Municipal que autoriza o alargamento de zonas de crescimento de parques pagos da zona de Chã de Areia, Cartório e praça financeira.

“As zonas de Achada Santo António e Palmarejo, que foram abarcados pela deliberação municipal, ainda não vão ser incluídos, pois, a EMEP quer consolidar a zona de crescimento acima referida e só depois, se tiver condições técnicas e organizacional, vai entrar nestas zonas”, explicou.

Segundo Victor Coutinho, neste momento, a EMEP em termos de projectos vai consolidar a zona do Platô, dois novos parqueamentos, que integram as zonas de crescimento que a deliberação municipal de Dezembro de 2018 autorizava.

O responsável da EMEP disse ainda, que a empresa está em fase de elaboração do plano de mobilidade da cidade que terá de ser inclusiva, e que será colocado brevemente à discussão pública.

“Estamos também a trabalhar a problemática da sinalização da cidade, que é um problema, pois, muitas vezes, a empresa é conotada apenas com a questão do estacionamento quando o nosso foco é a mobilidade a todos os níveis”, afirmou.

Uma deliberação publicada no Boletim Oficial de 04 de Janeiro, justifica a decisão de cobrar pelo estacionamento nas zonas de Achada de Santo António, Palmarejo, Várzea e Chã de Areia com a “desorganização no estacionamento”, visando, com isso, ordenar e aumentar o grau de mobilidade e acessibilidade.

PC/CP

Inforpress/Fim