Covid-19/São Vicente: UCID diz concordar com eventual declaração de estado de emergência (c/áudio)

Mindelo, 26 mar (Inforpress) – O vice-presidente da União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID, oposição) assegurou hoje que o aval do partido é “extremamente positivo” quanto ao eventual Estado de emergência que vier a ser declarado pelo Presidente da República.

João Santos Luís, que reagia em conferência de imprensa, na tarde de hoje, no Mindelo, apoiou-se nos dados gerais de África, com mais de 2.700 casos e 72 mortes em 46 países devido ao novo coronavírus, e no caso específico de Cabo Verde com quatro casos, uma morte e 11 suspeitos.

Por isso, segundo a mesma fonte, o aval do partido é “extremamente positivo” para o eventual Estado de emergência que vier a ser declarado pelo Presidente da República, já que estão “muito preocupados” com a nação cabo-verdiana e com os hábitos desta.

“Nós teremos que mudar as nossas atitudes para de facto ganharmos essa guerra. Cada um de nós fazendo a sua parte, venceremos essa batalha que é o coronavírus”, lançou, pedindo a atenção da população para o “cumprimento restrito” de todas as regras anunciadas pelo Governo.

João Santos Luís assegurou que o líder do partido esteve esta tarde em contacto com o Presidente da República, que deve consultar hoje as forças políticas para o eventual decreto do estado de emergência.

O vice-presidente da UCID considerou ser “urgente” essa tomada de posição, por ser o País constituído por ilhas “muito vulneráveis” e assim para evitar o alastramento da infecção.

Questionado se acredita ser mesmo preciso tal emergência, João Santos Luís disse que sim, uma vez que há ilhas, onde as pessoas não estão a cumprir.

“Nós não temos outro caminho”, defendeu, com a lembrança de ter alertado desde mês de Janeiro para o fecho das fronteiras e de se evitar o primeiro caso.

“Se tivéssemos tomado essas medidas logo no mês de Janeiro não teríamos essa preocupação e logo não teríamos necessidade de uma eventual estado de emergência”, sublinhou o dirigente partidário, para quem o estado de emergência irá só no sentido de as pessoas cumprirem na “íntegra e rigorosamente” as precauções emanadas pelas autoridades.

O País está, segundo a mesma fonte, preparado a nível da segurança interna para efectivação de tal medida ,mas “o problema está nas pessoas que devem mudar os hábitos”.

Confrontado de como ficará a situação de pessoas mais vulneráveis e que buscam o rendimento no dia-a-dia, João Santos Luís defendeu mais uma vez a mobilização de 10 por cento do Orçamento do Estado para às empresas e principalmente para apoiar o sector informal, que normalmente não é contemplado.

O primeiro-ministro manifestou hoje a posição do Governo favorável à declaração do estado de emergência no País, explicando que, assim, o Executivo terá poderes para se dotar de instrumentos adicionais de reforço às medidas de prevenção.

Numa declaração à Nação, Ulisses Correia e Silva disse que manteve um encontro com o Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, que “pondera seriamente a declaração de situação de emergência constitucional no País”.

Segundo apontou, o Governo “é favorável à declaração da situação de emergência”, isso porque, referiu, “dá ao Executivo os instrumentos adicionais e reforçados de intervenção”, pelo que, apontou, “seja feita de imediato” para permitir uma maior eficácia da execução das medidas em curso

Cabo Verde registou até o momento quatro casos positivos do novo coronavírus, sendo três na ilha da Boa Vista e um na cidade da Praia. Entre os três casos positivos na ilha da Boa Vista, um resultou em óbito, o inglês de 62 anos.

LN/JMV

Inforpress/Fim

Scroll to Top