Covid-19: Projecções apontam para 39 mil casos e 430 mortes em Cabo Verde até Julho

Cidade da Praia, 10 Abr (Inforpress) – O modelo epidemiológico sobre a covid-19 em Cabo Verde, apresentado hoje, na Cidade da Praia, indica que nos próximos quatros meses o País vai registar cerca de 38.961 mil casos de infecção pelo novo coronavírus e cerca de 430 mortes.

O autor do estudo encomendado pelo Ministério da Saúde, o matemático José Augusto Fernandes, explicou que esta projecção foi feita com base num cenário real, isto é, com base nos dados fornecidos desde o início da pandemia em Cabo Verde, 19 Março, e tendo o País em quarentena assim como se encontra neste momento, com a implementação das medidas de restrições e com 74,1% da população em casa.

“Desde o início da pandemia em Cabo Verde (19 de Março), a Direcção Nacional da Saúde, de acordo com o director nacional no dia 04 de Abril, já realizou 100 testes, dos quais verificou-se um total acumulado de sete infectados. Isso corresponde a uma média de 7% de evidência dos infectados”, explicou.

“Fizemos uma análise de confiança estatística e dissemos é bom inferir para a população (556.000) deu-nos 38 mil e fomos buscar o cenário que mais se próxima a infecção máxima e buscamos 74,1%. E fizemos as previsões todas baseadas nessa curva de previsão”, acrescentou.

De acordo com esta projecção, o pico da doença será atingido 60 dias depois do início da pandemia em Cabo Verde, ou seja entre Maio e Junho, período durante o qual poderão ser registados 23 mortes/dia.

Este modelo epidemiológico não separa o número dos infectados assintomáticos dos demais e nem aponta o número total de pessoas que teriam ou terão necessidade de ser hospitalizadas.

Entretanto, adiantou que, na Cidade da Praia, por exemplo, durante o período em referência cerca de 50 pessoas terão necessidade de cuidados hospitalares intensivos.

O autor do estudo destacou os impactos das medidas tomadas pelo Governo para combater a propagação do vírus, nomeadamente as medidas de distanciamento social e de confinamento, e defendeu a necessidade se alargar o estado de emergência.

Segundo José Augusto Fernandes, num cenário sem nenhuma medida o País registaria, em 27 dias, isto desde início da pandemia até hoje, 165.501 infectados e 1.821 mortes, sendo que durante o pico, num só dia morreriam 348 pessoas.

Apresentou também cenários para 30, 40, 50, 70 % de confinamento, sendo que num cenário de cumprimentos de 30% da quarentena o País registaria 111.767 casos positivos, 40% com 93.998 casos, 50% com 77.768 infectados e 70% com 45.440 infectados.

“O efeito da quarentena é notório. Vale a pena porque não temos nenhum medicamento, não há vacina e para o desconhecido o único remédio é ficar em casa”, sustentou.

Estudo tem intervalo de confiança de 95% e uma margem de erro de 5%.

José Augusto Fernandes adiantou, entretanto, que o modelo poderá ser ajustado à medida que os dados forem surgindo.

MJB/AA

Inforpress/Fim

 

Scroll to Top