Covid-19/Maio: Protecção Civil inicia “patrulha” às praias para evitar entrada de pessoas na ilha

Porto Inglês, 26 Mar (Inforpress) – A Protecção Civil na ilha do Maio iniciou quarta-feira o “patrulhamento” das praias, para controlar a entrada de pessoas vindas das outras ilhas, assim como de outros países do continente africano.

O representante do Corpo de Bombeiros e da Protecção Civil no Maio, Carlos Castro, assegurou à Inforpress que 18 bombeiros voluntários foram distribuídos por todas as praias para garantirem a segurança das mesmas durante toda a noite, tendo em conta que ao longo do dia esta responsabilidade estará a cargo da Guarda Costeira em parceria com a Esquadra local.

Esta medida, que vai durar cerca de 15 dias, conforme explicou, vem na sequência de rumores e da possibilidade que está sendo levantada no seio dos maienses e nas redes sociais de que pessoas estão a deslocar-se da Boa Vista, ilha que se encontra de quarentena, em direcção ao Maio e até de alguns países do continente.

Neste sentido, Carlos Castro afiançou que a Protecção Civil na ilha optou por garantir a vigilância nestas praias, por forma a dar segurança aos maienses.

A partir de hoje ou na sexta-feira, segundo informou, vão colocar mais duas pessoas da localidade de Praia Gonçalo a protegerem a praia desta localidade, tendo em conta que ali não dispõe de bombeiros voluntários.

Informou ainda que, a Protecção Civil, em parceria com a edilidade e o grupo de trabalho criado para o efeito, decidiu atribuir um subsidio aos participantes nesta patrulha como forma de lhes possibilitar a realização desta tarefa com as mínimas condições.

Questionado se a Protecção Civil e o corpo de bombeiro dispõe de viaturas suficiente para assegurar a deslocação dos bombeiros voluntários as referidas praias, Carlos Castro admitiu que este é um dos grandes constrangimentos da corporação, todavia disse estarem a contar com a colaboração da autarquia local para o efeito.

Carlos Castro afiançou ainda que na manha desta quinta-feira estiveram duas embarcações da Guarda Costeira na ilha para manterem contacto com as autoridades locais e acertarem os detalhes quanto aos trabalhos que vão ser desenvolvidos. O objectivo é garantir a ordem da não mobilidade entre as ilhas por parte das embarcações, principalmente de boca aberta, conforme foi decretado hoje pelo Governo central.

WN/CP

Inforpress/Fim

Scroll to Top