• Save

Cimeira Cultural Atlântica Madeira /Cabo Verde reconheceu similitudes e desafios comuns dos dois territórios – primeiro-ministro

Cidade da Praia, 09 Jun (Inforpress) – O primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, considerou que a I Cimeira Cultural Atlântica Madeira/Cabo Verde reconheceu as similitudes e desafios comuns dos dois territórios e permitiu o reforço das relações através da história, da língua e a cultura.

O chefe do executivo cabo-verdiano fez estas considerações na sua página oficial no Facebook, no final da Cimeira Cultural Atlântica Madeira – Cabo Verde, que decorreu sexta-feira, no município de Machico, arquipélago da Madeira, Portugal.

Segundo informou, concluíram a Cimeira com o compromisso de institucionalizá-la e com o anúncio de que a segunda edição realizar-se-á em Cabo Verde.

“Essa Cimeira reconheceu as similitudes e desafios comuns dos dois territórios e comprovou a cultura e as indústrias criativas como um sector chave para a criação de emprego digno, de rendimento e carreiras sustentáveis”, afirmou Ulisses Correia e Silva.

Os dois países, avançou, vão concentra-se numa agenda estratégica de cooperação mútua em eventos marcantes como a passagem de ano e o Carnaval, e sectores como a gastronomia, a moda, o design, artes visuais, o teatro e a música.

Ainda, vão engajar-se em projectar os artistas cabo-verdianos e madeirenses nos grandes eventos a realizar-se nos dois territórios.

A ideia, segundo Ulisses Correia e Silva, é aproximar os dois arquipélagos através de trocas e intercâmbios culturais efectivas, com associações da sociedade civil e empresas do sector das indústrias criativas, assim como pretendem reforçar o diálogo entre o sector turístico e cultural, através de um fórum entre os agentes dos dois sectores para partilha de experiência sobre a criação de conteúdos culturais para o turismo.

Nesta cimeira, prosseguiu, assumiram também incentivar a implementação do ensino artístico como factor chave para a criação de um mercado das artes e da descoberta de novos talentos.

Durante esta cimeira, o chefe do executivo cabo-verdiano, acompanhado do ministro da Cultura e das Indústrias Criativas, Abraão Vicente, teve a oportunidade de participar na abertura do Mercado Quinhentista em Machico, uma experiência que classificou de “muito boa”.

“É uma viagem no tempo bastante enriquecedora. O Mercado Quinhentista (Machico) e a Viagem pela História (Cidade Velha) são eventos que vamos avançar com intercâmbios. A realização da I Cimeira Cultural Atlântica Madeira – Cabo Verde foi uma oportunidade para nos conhecermos mais e melhor”, assegurou.

A I Cimeira Cultural Madeira/Cabo Verde foi organizada pelo Atlanticulture Center, uma agência cultural sedeada em Machico, e decorreu sobre o tema “Ponte Cultural Atlântica”, sendo o ponto alto o debate “Estratégia para a cultura 20/30”.

AM/CP

Inforpress/Fim

Scroll to Top
Share via
Copy link
Powered by Social Snap