Brava: Queixoso e advogado dizem que não foram notificados para a audiência contraditória preliminar

Nova Sintra, 12 Fev (Inforpress) – O queixoso Estêvão Delgado e o seu advogado Hélio Sanches, em comunicado enviado à Inforpress, dizem-se não ter sido notificados pelo Tribunal Judicial da Comarca da Brava para comparecerem na ACP da queixa movida aos deputados municipais do PAICV.

No mesmo comunicado confirma que o queixoso apresentou uma queixa-crime contra os arguidos Jorge Reverdes e outros, por crimes de injúria e calúnia e, consequentemente, constituiu assistente e apresentou a competente acusação particular.

Entretanto, alegam que o queixoso e o seu mandatário apenas tomaram conhecimento da referida data “através de terceiros”, mas “nunca” do Tribunal Judicial da Comarca da Brava.

De realçar que, na terça-feira, 11 de Fevereiro, no acto da suspensão da audiência contraditória preliminar (ACP) a juíza Cláudia Bettencourt chamou todas as testemunhas na sala de audiência, onde disse que “não poderiam continuar com a audiência porque nem o queixoso e nem o seu advogado estavam presentes”.

A mesma audiência ficou remarcada para 10 de Março.

MC/CP

Inforpress/Fim

Scroll to Top