Brava: Presidente da câmara anuncia “boas perspectivas” para 2023 com foco na resolução dos problemas estruturantes

Nova Sintra, 10 Jan (Inforpress) – O presidente da Câmara Municipal da Brava, Francisco Tavares, disse hoje que 2023 vai ser um ano de resolução de problemas estruturantes para a ilha e de luta para a resolução do problema dos transportes.

Em entrevista à Inforpress, o edil bravense apontou o início das obras da dessalinizadora, que vai resolver o problema da água em relação a quantidade e a qualidade, mas também do Centro de Saúde, “um mini-hospital”, para a ilha, além do reforço de recursos humanos e materiais nesses sectores.

Quanto à questão da saúde, recordou que no final de 2022 foi colocada uma embarcação e a criação do Destacamento Militar da Guarda Costeira na ilha para a questão da transferência de doentes para a ilha do Fogo em caso de emergência e o novo Centro de Saúde vai complementar esta área.

Mas, realçou que para este ano ainda a câmara municipal conta conseguir o financiamento para vários projectos, visto que a economia cabo-verdiana já começou a responder “positivamente” e os fundos, nomeadamente do Turismo, Ambiente, entre outros, estão a captar mais recursos e consequentemente, serão transferidos mais recursos para a Brava.

Neste sentido, elevou que se prevê “um ano de muito trabalho e concretização de vários projectos que tem sido aguardado devido à falta de recursos financeiros e a redução dos recursos transferidos por parte do Governo Central, o que diminuiu o ritmo em relação a aquilo que era o excelente ritmo de obras em 2019”.

O autarca elencou que haverá “mais arruamentos e intervenções em construção de casas de banho, no apoio às famílias para uma habitação mais condigna, continuidade com os apoios à formação dos jovens bravenses a todos os títulos, transporte escolar gratuito e reforço para a parte do turismo, cultura e saneamento”.

Para 2023, Francisco Tavares augura a resolução definitiva do “grande Calcanhar de Aquiles” que é a questão da ligação marítima de e para a Brava que tem degradado dia após dia, considerando no mínimo ser necessário quatro viagens semanais de ligação Brava – Fogo – Santiago e vice-versa, onde uma das viagens poderia ser feita com um dos barcos de carga para questões comerciais, com prioridade para comerciantes o que teria impacto directo na economia da ilha.

Igualmente, um outro problema que tem prejudicado a ilha segundo o edil, tem a ver com a questão da energia eléctrica, que nesse momento já se encontra resolvido, mas anunciou que há o compromisso da Electra em adquirir um grupo de máquina nova para a produção de energia que dá vazão e cobre toda a Brava permitindo ter uma reserva suficiente para que não haja cortes de energia na ilha.

Diante dos pontos elencados, afirmou que as perspectivas para 2023 “são muito boas”, destacando que “apenas exige de todos um compromisso grande, muito trabalho, muita dedicação e a cada um fazer a sua parte para contribuir para uma Brava melhor”.

MC/CP

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos