Brava: Olavo Correia desafia jovens a serem empreendedores na procura de soluções

Nova Sintra, 13 Ago (Inforpress)  – O vice-primeiro-ministro, Olavo Correia, desafiou hoje os jovens, em Nova Sintra, a serem empreendedores e aproveitarem todas as oportunidades disponíveis para assim desenvolverem a ilha.

O também ministro das Finanças lançou este desafio no acto do encerramento da cerimónia de apresentação das ofertas formativas 2019, estágios profissionais e oportunidades de financiamento, realizada na câmara municipal, com a presença de jovens e diversos parceiros destes programas.

Segundo o governante, há oportunidades em Cabo Verde no turismo, nas pescas, nos transportes, nas tecnologias e no sistema financeiro, mas realçou a importância de os cabo-verdianos perceberem que, além do investimento feito por parte de estrangeiros, quem faz o desenvolvimento do país são os cabo-verdianos.

Para isso, prosseguiu, é necessário um “povo empreendedor, formado e educado com qualidade”.

Segundo o governante, além de ser formado, é necessário ser um povo empreendedor, que consegue identificar oportunidades de negócios nos mais diversos domínios, que consegue criar empregos, gerar rendimentos e fazer a economia desenvolver.

Sendo assim, desafiou os jovens para serem empreendedores, que procurem soluções para os problemas da ilha, soluções de negócios e de criação de valores e, garantiu que o Estado, está disponível para os suportar.

Adiantou ainda que o Governo tem “recursos mobilizados, instituições criadas, quadro legal aprovado” e que “tudo está montado para que possam fazer sucesso na matéria”.

O desejo, realçou, é que os jovens tenham ideias, aproveitem as ofertas formativas, adiantando que este ano pretende-se atingir 10 mil jovens, 5000 dos quais com formação profissional e mais 5000 para estágios profissionais.

“Queremos apoiar empresas, empresários e jovens cabo-verdianos com ideias de negócios, para que eles mesmos possam criar oportunidades de emprego”, ajuntou.

Em relação à Brava em particular, salientou que é uma ilha com um “passado histórico relevante”, caracterizando-a como sendo “a ilha do Eugénio Tavares, berço da morna de Cabo Verde, ilha com uma diáspora pujante e com grande interesse na mesma, com um património histórico invejável, um património natural riquíssimo, e que tem tudo para ser uma ilha turística”, ilha que se desenvolve na base da agricultura, da pesca e do investimento da diáspora.

Daí, ressaltou, o melhor caminho é apostar na qualificação dos jovens e incentivá-los a apresentarem ideias de negócios e de projectos ambiciosos para, assim, desenvolver e criar valor na ilha Brava.

“Não podemos queixar das oportunidades, porque elas existem na escala do país e para a escala global, mas temos de ter gente preparada para aproveitá-las e nós estamos a incentivar os jovens a aproveitarem as oportunidades que temos nos mais diversos domínios económicos em Cabo Verde”, finalizou o vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças.

MC/AA

Inforpress/Fim

Scroll to Top
Share via
Copy link
Powered by Social Snap